terça-feira, junho 26, 2012

Blá.

Deitada ao meu lado da cama: minha criança, minha pequena, minha menina, mas só menina deitada ao meu lado, repousada em meu peito.
Mulher sozinha.
Mulher guerreira.
Mulher sem medo.
Poderia ter o corpo escultural como montanhas, mas montanhas pedras e de duro em você não há nada, criança.
Em você há uma beleza que não só meus olhos foram capazes de ver, mas a ternura só eu vi e as carícias jamais poderei esquecer.
Suas mãos são leves, mas ao mesmo tempo são pesadas, eu poderia ser teu piano, se suas mãos não fossem geladas.

- Geladas são as tuas, guria!
- Se aquieta, menina.
...

"encosta em meu peito e dorme".